O Confeiteiro

Minha foto
...”Sempre que acordo Com a intenção de não ser O de ontém Mudo E o paradoxo mais bonito È que continuo sendo o mesmo”...

quarta-feira, 26 de março de 2008

A Fraqueza do Poema

Ela ou Ela
Desenlace fatal no seu olhar
Enquanto as paisagens correm pelas janelas
sem serem notadas e as notas tocam caladas
Precipício, alta erupção de dois vulcões
há tanto adormecidos
Suicídio se entregar quando algoz
o medo traz a fenda
O mercúrio escorre pelas mãos
fugidio , líquido, fugaz
Estou a fraquejar
Como quem tem pouco tempo a dar
Silêncio, o vento leva calmo
O outono me traz repetição certa
Ela, Ingrid
Orvalho da manhã amar

Um comentário:

Giovanna disse...

como um gotejo de orvalho nos olhos
seus versos nublaram qualquer sentido.

Beijos.

ps: os textos velhos e em breve novos em www.coloracoesdocerebro.blogspot.com

Roda